[ editar artigo]

Seis passos para a sustentabilidade na indústria de alimentos

Seis passos para a sustentabilidade na indústria de alimentos

Engana-se quem pensa que a sustentabilidade na indústria de alimentos está ligada apenas às questões ambientais. O conceito vai além, englobando também problemáticas sociais e econômicas.

Dado que os recursos naturais do planeta Terra são finitos, devemos fazer uso consciente deles para que seja possível suportar as necessidades de nossa geração e das futuras.

Mais do que a conservação ou a manutenção ambiental, a sustentabilidade deve incluir a questão social, promovendo saúde e qualidade de vida.. 

Além disso, existem também novas práticas econômicas. A chamada economia circular busca substituir o conceito de “descarte” da economia linear por fluxos circulares de reutilização, restauração e renovação de materiais e energia, promovendo, assim, uma economia sustentável.

Já sabemos que a sustentabilidade na indústria é um tema que necessita ser explorado, mas, na prática, como começar a implementá-la?

Sustentabilidade na indústria de alimentos: por onde começar?

 

Para que, de fato, se alcance a sustentabilidade na indústria de alimentos, a prática deve representar não apenas um setor da empresa, mas sim um pensamento que permeie todos os departamentos, criando uma cultura de sustentabilidade.

 

Tal comportamento dentro da empresa faz com que os funcionários entendam o conteúdo, se engajem na causa e disseminem a ideia para as demais pessoas. Assim, a cultura da sustentabilidade precisa ser considerada nas tomadas de decisão da empresa.

 

Precisamos de um guia para que seja possível pautar as ações em sustentabilidade. Por este e outro motivos, em 2015, a ONU e seus colaboradores, incluindo o Brasil, criaram uma agenda global com Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

 

O material conta com 17 objetivos e 169 metas em diversas áreas, incluindo nutrição, saúde e educação, para que seja possível melhorar a qualidade de vida e proteger o planeta até 2030.

 

Dentre todos os objetivos sustentáveis presentes, nós do BHB escolhemos os mais pertinentes à área da Nutrição e trouxemos seis passos para que seja possível a sustentabilidade na indústria de alimentos, confira:

 

Seis passos para a sustentabilidade na indústria de alimentos

 

  1. Fome zero e agricultura sustentável: “erradicar a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável”.

 

Para que seja possível alcançar esse objetivo, é necessário que até 2030 existam sistemas sustentáveis de produção de alimentos, práticas agrícolas com diversidade genética de sementes e plantas cultivadas, além do investimento em ciência e tecnologia, otimizando a produção e minimizando perdas.

 

Por isso, é importante incentivar os pequenos produtores, que agem de acordo com os padrões de desenvolvimento sustentável. 

 

Ademais, o engajamento em produtos plant-based pode fomentar a diversificação da agricultura, já que diferentes tipos de vegetais compõem sua produção, e, ainda, por conta de sua qualidade, eles podem promover uma melhor nutrição. 

2. Vida terrestre: “Proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, travar e reverter a degradação dos solos e travar a perda da biodiversidade.

 

Praticar uma agricultura diversificada, deter o desmatamento e restaurar florestas são algumas das metas para assegurar a preservação da vida terrestre. Por este motivo, dietas à base de plantas podem favorecer o uso sustentável do solo, promovendo uma alimentação planetária e sistemas alimentares sustentáveis.

 

3. Saúde e bem-estar: “assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades”.

 

A saúde e o bem-estar não são promovidos apenas pela alimentação, mas também em todos os aspectos da vida de um ser humano. 

 

Condições de trabalho dignas, incentivo ao empreendedorismo, inovação e formalização, além do crescimento das micro, pequenas e médias empresas também são formas de promover saúde e bem-estar para a população.

 

Um crescimento econômico que leve em consideração o bem-estar do ser humano e não apenas o dinheiro já é relevante. A teoria Donut, criada pela economista Kate Raworth, é um modelo econômico que pode ser usado por empresas e que garante os direitos básicos e a saúde do planeta.

 

4. Indústria, inovação e infraestrutura: “Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação”.

 

Neste ponto, o material discorre sobre apoiar o desenvolvimento tecnológico, a pesquisa e a inovação nacional. 

 

Portanto, investir em inovação é o caminho, seja na formulação de produtos, ou mesmo nos processos produtivos, para que seja possível minimizar os impactos e o desperdício ao longo de toda cadeia produtiva. 

 

A parceria com universidades públicas e privadas também pode ser interessante para incentivar pesquisas e auxiliar no caminho da industrialização inclusiva e sustentável. 

 

5. Consumo e produção responsáveis: “Garantir padrões de consumo e de produção sustentáveis”.

 

Para que haja produção sustentável, os cuidados durante toda a cadeia produtiva são de suma importância para maximizar os resultados e minimizar os desperdícios. 

 

Soma-se a isso a atenção com o manejo correto de químicos e resíduos da produção, além da preocupação com o uso excessivo de combustíveis fósseis.

 

Mas, não basta apenas as indústrias estarem alinhadas com a sustentabilidade, os consumidores também precisam ser educados a respeito de opções mais conscientes. 

 

Dessa forma, as escolhas dos consumidores também precisarão ser mais responsáveis, fruto do conhecimento  das consequências ambientais e sociais que o produto comprado possui.

Já pensou enquanto marca se deveria e como comunicar um consumo mais moderado do seu próprio produto? Tem coragem?

 

6. Ação contra a mudança global do clima: “Adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos”.

 

A emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa, com a queima de combustíveis fósseis, o desmatamento, a agropecuária intensiva e o manejo inadequado de resíduos contribuem para mudanças climáticas e desastres ambientais que prejudicam a vida humana.

 

E, portanto, integrar medidas da mudança do clima às políticas, estratégias e planejamento da empresa é essencial para promover a sustentabilidade ambiental e social.

 

O que podemos fazer?

 

  • Melhorar a eficiência energética e apostar nas energias renováveis contra os combustíveis fósseis.

  • Uso de embalagens sustentáveis que possam ser facilmente recicladas ou reutilizadas

  • Utilização de matérias-primas de agricultura sustentável


 

Já pratica a sustentabilidade?

 

O tema da sustentabilidade na indústria de alimentos se torna cada vez mais relevante e urgente. Ele precisa sair dos relatórios executivos com fotos bonitas anuais e ser respiração diária de uma indústria ou marca. Em cada passo, em cada decisão, em cada novo fornecedor, em cada definição de processo, a sustentabilidade está ali, amarrada como um pano de fundo. Pense nisso.

 

A indústria necessita, cada vez mais, ser parte da solução no desenvolvimento sustentável do país. Dos passos expostos, quais sua empresa já realizou? Quais podem ser implementados? Step by step, que tal colocar uma meta de olhar para um deles em 2021? Deixe suas ideias nos comentários!

 

 

 

 

 

 

Food Trends

Ler conteúdo completo
Indicados para você