[ editar artigo]

O iogurte como cura para a doença do Covid-19 ?

O iogurte como cura para 
a doença do Covid-19 ?

 

O iogurte pode curar Covid-19 e a doença de Crohn? 

Pesquisadores da Universidade Ben-Gurion de Negev (BGU) identificaram moléculas no kefir, um tipo de iogurte, que tem o potencial de combater bactérias patogênicas ao bloquear a comunicação entre as células.

O iogurte é uma bebida láctea probiótica fermentada, feita pela inoculação do leite com misturas de microorganismos, principalmente leveduras e bactérias. E essa abordagem também é promissora no combate a bactérias resistentes a antibióticos.

As moléculas da bebida probiótica fermentada parecem mitigar as tempestades de citocinas - uma das principais causas da morte de Covid-19 - e controlar a inflamação.

As pessoas confiam nos probióticos do iogurte há anos para acalmar problemas de estômago e equilibrar os efeitos negativos dos antibióticos. Acredita-se que os probióticos também aumentem a função do sistema imunológico.

Esta é a primeira vez, no entanto, que os pesquisadores isolaram moléculas no iogurte que parecem atenuar as “tempestades de citocinas”, a resposta imunológica extrema que é uma das principais causas de morte em pacientes com Covid-19.

Os pesquisadores começaram observando que as moléculas secretadas pelo kefir reduzem a virulência do vibrio cholerae , que causa a cólera. As moléculas de kefir interferiram na formação de biofilmes bacterianos, que desempenham um papel significativo na progressão da doença.

A aplicabilidade das moléculas ao Covid-19 foi uma surpresa. As moléculas de iogurte não apenas eliminaram a tempestade de citocinas, mas também restauraram o equilíbrio do sistema imunológico.

"Esses resultados são notáveis, pois esta é a primeira demonstração de que a virulência de bactérias patogênicas humanas pode ser mitigada por moléculas secretadas em produtos lácteos probióticos, como iogurte ou kefir", disse o Prof. Raz Jelinek, vice-presidente e reitor de pesquisa e desenvolvimento na BGU.

“Nossa pesquisa ilumina pela primeira vez um mecanismo pelo qual os probióticos fermentados com leite podem proteger contra infecções patogênicas e ajudar o sistema imunológico. Após resultados promissores em modelos animais, esperamos administrar esses candidatos a medicamentos a pacientes que estão passando por uma tempestade de citocinas devido à infecção por Covid-19 ou pessoas que sofrem de patologias intestinais inflamatórias agudas, como a doença de Crohn.

Josh Peleg, CEO da BGN Technologies , a empresa de transferência de tecnologia da BGU, acrescentou que “Em uma realidade onde as bactérias resistentes aos antibióticos estão se tornando uma ameaça iminente, as novas moléculas descobertas pelos cientistas da BGU abrem um caminho completamente novo para combater infecções bacterianas, interrompendo comunicações célula a célula em bactérias patogênicas. Além disso, as atividades antiinflamatórias dramáticas das moléculas podem abrir novos caminhos para a terapêutica e produtos alimentares probióticos cientificamente comprovados. ”

O estudante de doutorado Orit Malka conduziu o estudo, que foi publicado na revista Microbiome . Profs. Michael Meijler, Ariel Kushmaro e Ron Apte, todos da BGU, participaram.

Fonte: Israel 21c.

 

Notícias

Ler conteúdo completo
Indicados para você