[ editar artigo]

Relatório da Nielsen destaca o avanço do e-commerce de alimentos durante a pandemia do coronavírus

Relatório da Nielsen destaca o avanço do e-commerce de alimentos durante a pandemia do coronavírus

Recentemente aconteceu a 9ª edição do Evento Foodtech Movement, com enriquecedores insights pautados no consumidor, na inovação e tecnologia focado em toda cadeia alimentar.  Além disso, representantes de empresas como o Grupo Pão de Açúcar (GPA), Ifood e startups como James Delivery destacaram a intensificação do e-commerce de alimentos no período do coronavírus, vindo de encontro a 41ª edição Webshoppers.  

O Webshoppers foi um estudo sobre o comércio eletrônico brasileiro realizado pela Nielsen, entre março a abril de 2020, que apresentou 31% de crescimento entre novos clientes no e-commerce de autosserviço, que inclui a venda de alimentos, ao contrário do mesmo período em 2019, que representou um aumento de apenas 16%.

Analisando os resultados na venda de alimentos online neste período, o James Delivery teve aumento de 800% no número de pedidos totais,  os sites de vendas do Pão de Açúcar e Extra apresentaram crescimento de 76% em termos de clientes, representando cerca de 3% da receita bruta do varejo alimentar do GPA.

“Abril foi maior que março; maio, maior que abril; e junho está maior que maio. Ou seja, o canal de supermercado online se confirma e entra no hábito de muita gente. É realmente uma demanda crescente. Observamos os tickets muito altos, ticket médio cinco vezes maior do que o de loja. No e-commerce, a frequência de compra é alta e com tickets extremamente altos”, afirma Rodrigo Pimentel, diretor de e-commerce alimentar do Grupo Pão de Açúcar,

Apesar do cenário econômico delicado, o varejo alimentar, que manteve suas atividades mesmo com o isolamento social, tem desbravado canais alternativos, incluindo o Grupo Carrefour, principal concorrente do Grupo Pão de Açúcar.

 “Com a Covid-19, o nosso e-commerce food literalmente mudou de patamar. Tivemos um crescimento de um pouco mais de três vezes do pré-Covid para a Covid. Aumentamos cerca de três vezes o nosso volume”, revela Luiz Escobar, head de e-commerce do Carrefour Brasil.

Além do crescimento digital do varejo alimentar, plataformas de supermercado online, como Supermercado Now e Zipp, também notaram esse aumento. O Zipp, que vinha crescendo cerca de 15% ao mês no ano passado,  dobrou o faturamento em março na comparação com fevereiro.

“Em abril dobramos de novo o faturamento de março e em maio continuamos crescendo também. Não dobramos, mas tivemos um crescimento de mais ou menos 30%. De fevereiro para hoje, quintuplicamos o faturamento da empresa”, indica Adrian Tsallis, sócio do Zipp.

 

Fonte: Meio e Mensagem.

Notícias

Ler conteúdo completo
Indicados para você