[ editar artigo]

Startup de hortas compactas atrai público e amplia operações no mercado

Startup de hortas compactas atrai público  e amplia operações no mercado

A startup Brota espera faturar R$ 4 milhões em seu primeiro ano de operação com a venda de hortas compactas a um universo de mais de 17 mil clientes, sobretudo da zona urbana. Em seis meses de operação, a empresa atendeu 10 mil pessoas e faturou R$ 2,2 milhões.

Cada horta tem seis cápsulas individuais de 20 por 20 centímetros. Elas podem ser utilizadas para o cultivo de 12 diferentes tipos de plantas, entre as quais temperos como manjericão e coentro, além de tomates cereja e camomila. 

A empresa deu seu primeiro passo em junho de 2020, quando os fundadores, os cariocas Bruno Arouca e Juan Correa e o capixaba Rodrigo Farina, criaram uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse. 

Com o dinheiro da campanha, o trio desenvolveu as primeiras hortas e também investiu em maquinário, contratação de mão de obra e abertura efetiva da empresa. Em seu primeiro mês de operação, a Brota atendeu 2 mil clientes e, até dezembro do ano passado, teve crescimento médio de 10% a 15% ao mês.

Para 2021, os planos da Brota incluem ampliar as opções de cultivo e também de equipamentos e acessórios. Hoje, as hortas da startup já contam com um sistema de irrigação autônomo que precisa ser abastecido com água apenas a cada 25 dias.

“Nossa intenção desde o início é trazer a mais pessoas uma forma diferente de enxergar o consumo sustentável. Gerar uma experiência prazerosa com o alimento que elas mesmas cultivam dentro de casa sem gerar mais esforço para isso”, afirma Rodrigo Farina, CEO da startup, em nota.

 

 

Fonte: Valor Econômico.

Notícias

Ler conteúdo completo
Indicados para você