[ editar artigo]

Veggi, a startup de delivery vegano que recebeu aporte de R$1 milhão

Veggi, a startup de delivery vegano que recebeu aporte de R$1 milhão

A Veggi, primeira startup de delivery vegano no Brasil anunciou que recebeu um aporte de R$ 1 milhão em uma rodada de investimento liderada pela WOW Aceleradora, a maior aceleradora independente no Brasil, e outro grupo de investidores. Esse investimento será usado para evoluir o produto, aumentar a equipe e abrir caminho para a expansão nacional do negócio.

 A Veggi nasceu no início de abril de 2020, quando os restaurantes tiveram de fechar as portas por conta do coronavírus. O mercado vegano acelerou com a pandemia, apesar disso, o número de restaurantes veganos era pequeno e poucos faziam delivery antes do lockdown. Os empresários viram nessa situação uma oportunidade de mercado e resolveram criar o primeiro aplicativo de delivery focado nesse público consumidor.

co-founder e Diretor de Produto, Allan Carneiro, falou sobre esse aporte: “Hoje o sistema da Veggi atende três frentes: consumidores, restaurantes e entregadores. A maior parte do aporte será destinado ao desenvolvimento da tecnologia desses três produtos, buscando aumentar a eficiência das nossas operações e oferecer uma experiência superior aos clientes, possibilitando também a expansão para outras cidades brasileiras a partir do próximo ano”.

Segundo Leonardo Nones, CEO da Veggi e co-founder, o propósito da startup é se tornar uma plataforma líder em geração de impacto socioambiental positivo. Ele disse: “Queremos ser uma alternativa às plataformas de delivery tradicionais. Além de facilitar a busca por alimentos veganos, que contribuem para a redução do impacto negativo da agropecuária no meio ambiente, também priorizamos o uso de embalagens compostáveis e livres de plástico, além de trabalharmos com taxas mais justas para restaurantes e entregadores”.

Leonardo também cita que no primeiro ano de operação, a Veggi atingiu mais de R$800 mil em receita para negócios locais e gerou R$200 mil de renda para entregadores, tendo também contribuído para a redução de 175 toneladas de CO₂ emitidos na atmosfera e economizado 42 milhões de litros de água, através do impacto gerado pela redução do consumo de alimentos com origem animal. Ele destacou: “Se conseguimos isso sem capital e com apenas três pessoas no time, imagina o impacto que conseguiremos gerar quando o negócio ganhar escala”.

A visão a longo prazo de Leonardo para o negócio é: “Queremos alavancar o consumo de produtos veganos em uma escala muito maior, não apenas geograficamente, mas também na diversidade de produtos (refeições, vestuário, cosméticos, higiene, etc.), agregando tudo que consumidores conscientes precisam em apenas um lugar”.

Fonte: Vegan Business.

Notícias

Ler conteúdo completo
Indicados para você