[ editar artigo]

Chocolate sim. E por que não?

Chocolate sim. E por que não?

E então eu quero emagrecer! Mas não abro mão do chocolate.
Que dilema, dizem que engorda, eu acho que engorda, mas me faz feliz, como um sopro de ar frio num dia quente, abafado, ou como tirar um sapato apertado do pé chegando em casa depois de trabalhar em pé.
É não sei se abro mão!
Vou te contar uma coisa: chocolate é tão bom que é bom até para a saúde. Não tem um trabalho no mundo que demonstre o papel do chocolate (quando consumido moderadamente),  envolvido na piora ou como causa de uma doença crônica.
Aliás, por ser rico em vários compostos bioativos, como alguns flavonoides incluindo catequina, epicatequina, proantocianidina e teobromina, o chocolate já apresentou até papel inverso na Doença Cardiovascular e Acidente Vascular Cerebral. (1,2)
Estudos clínicos de intervenção demonstraram um efeito positivo da ingestão de cacau ou chocolate rico em cacau na redução da PA e na melhora da função microvascular e macrovascular (3).
Segundo dados do site https://www.statista.com/statistics, o brasileiro está entre os 20 maiores consumidores per capita, perdendo para países como a Suíça, Alemanha, Estados Unidos e França. E tem uma produção anual de aproximadamente 190 mil toneladas.
A indústria alimentícia, muitas vezes amaldiçoada pelo ultra processamento, segue aumentando sua linha de chocolates funcionais, reduzindo açúcares adicionados, incluindo mais sustentabilidade e trazendo muitas opções para que sua dieta não tire seu prazer.
Muitos produtos como bombons levam em sua lista de ingredientes, muito açúcar, gordura hidrogenada, entre outros aditivos nada saudáveis, porém em contrapartida marcas como Kopenhagen, brasileira de nascença, usam apenas manteiga de cacau como fonte de gordura, como é o caso do chocolate "língua de gato". 
E o que é que isso tem de diferente? Tudo.
Manteiga de cacau é rica em ácido graxo saturado, só que um acido graxo diferenciado, que é o esteárico. 
Este ácido graxo, saturado por natureza tem um comportamento único, passando a ser insaturado quando metabolizado, convertendo-se em ácido oleico, deixando de ter comportamento aterogênico, e atuando na elevação do HDL colesterol.(4).

Ah! Mas continua tendo açúcar.

Nem todos.

Temos ótimas versões de chocolate sem adição de açúcar. A 'Chocolates Brasil Cacau' é um exemplo pessoal de uma experiência incrível com chocolate diet. Seu tablete ao leite diet tem como ingredientes: leite em pó integral instantâneo para dietas com restrição de lactose (leite integral, enzima lactase, vitaminas A, C, D e emulsificante lecitina de soja), manteiga de cacau, pasta de cacau, polidextrose, edulcorante natural maltitol e emulsificante lecitina de soja.

Portanto, basta saber tirar a informação correta do produto, escolher com cuidado e deliciar-se neste deleite que é comer um bom chocolate sem culpa.

30 gramas/dia do ao leite ou 50g do amargo são medidas mais do que justas.

REFERÊNCIAS

1-Berends LM, van der Velpen V, Cassidy A.Flavan-3-ols, theobromine, and the efects of cocoa and chocolate on cardiometabolic risk factors. Curr Opinion Lipidol 2015;26(1):10–19


2-Morze J, Schwedhelm C, Bencic A, et al. Chocolate and risk of chronic disease: a systematic review and dose-response meta-analysis. Eur J Nutr. 2020;59(1):389-397. doi:10.1007/s00394-019-01914-9

3-Ludovici V, Barthelmes J, Nägele MP, et al. Cocoa, Blood Pressure, and Vascular Function. Front Nutr. 2017;4:36. Published 2017 Aug 2. doi:10.3389/fnut.2017.00036


4-Sánchez de Medina Contreras F, Zamora Navarro S. Dieta y enfermedad coronaria [Diet and coronary disease]. Nutr Hosp. 1995;10(3):152-157.

Opinião

Ler conteúdo completo
Indicados para você