[ editar artigo]

Cepêra aposta em economia circular transformando suas embalagens em porta-talheres, bolsas e paletes

Cepêra aposta em economia circular transformando suas embalagens em porta-talheres, bolsas e paletes

Empresas que focam na preservação do meio ambiente em processos de fabricação são importantes e ganham cada vez mais espaço na preferência dos consumidores, com isso, quando toda a sua cadeia produtiva, desde a origem até o destino final das embalagens utilizadas é pensada, com estratégias em prol de diminuir os resíduos na natureza, a percepção de valor muda aos olhos de todos: consumidores, indústria, mercado, fornecedores etc.

A Cepêra consolidou uma parceria com a Boomera em 2019, que transforma resíduos em utensílios modernos e duráveis por meio da economia circular entre os quais faz parte a logística reversa, definindo uma série de ações que serão apoiadas pelos embaixadores da marca, clientes, ações de marketing e mídias sociais com o intuito de propagar a importância do engajamento e sensibilização para o tema, utilizando design e transformação para um novo início das embalagens, os produtos circulares.

Como explica a gerente de marketing da Cepêra, Ana Carolina Penteado, produtos como porta-talheres, bolsas e paletes plásticos serão produzidos a partir de embalagens plásticas e descartáveis produzidas com material reciclado. “O que vale é o engajamento de todos na cultura do reaproveitamento apoiando novos destinos a resíduos com potencial de reciclabilidade. A reciclagem é feita com embalagens laminadas de todo mercado, não importando de qual marca seja, o que importa é a consciência.”, diz.

Eis o propósito da Cepêra com estas ações: Apreciar os melhores sabores da vida, sempre lembrando de preservar. Uma cozinha do seu jeito, que combine praticidade, um ar de gourmetização e o principal, a circularidade.

No caso dos paletes, produzidos a partir de resíduos provenientes de embalagens plásticas laminadas, cujo modelo é equivalente ao tradicional PBR, a durabilidade é maior, entre 7 a 10 anos (sendo que os de madeira, a durabilidade é de até 2 anos), amplamente aceito em processos de exportação, além de maior segurança e higiene. Dessa forma também é possível incluir as embalagens na cadeira de valor, evitando que sejam destinadas a aterros.

Há ainda, todo um ecossistema que se beneficia desse processo de logística reversa desenvolvido pela Cepêra em parceria com a Boomera. “Maior geração de renda para os catadores de materiais recicláveis, redução na emissão de CO2, um dos gases de efeito estufa e milhares de embalagens laminadas desviadas de aterros sanitários e recicladas”, lembra a gerente.

Fonte: Cêpera.

Notícias

Ler conteúdo completo
Indicados para você